Red Hat Training

A Red Hat training course is available for Red Hat Satellite

Guia de Provisionamento

Red Hat Satellite 6.1

Um guia de provisionamento físico e hosts virtuais dos servidores Red  Hat Satellite.

Edição 1

Equipe de Documentação do Red Hat Satellite

Resumo

O Guia do Red Hat Satellite Provisioning é um documento baseado em tarefas criadas para ajudá-lo a instalar e configurar o Red Hat Satellite, pronto para disposição física e hosts virtuais. Isso inclui a criação de topologia de rede necessária, configuração dos serviços necessários, e fornecimento de todas as outras informações de configuração necessárias para hosts de provisão em sua rede. Este guia é direcionado principalmente para os administradores do Satellite com conhecimento de rede de som e habilidades.

Capítulo 1. Introdução ao Provisionamento Utilizando o Red Hat Satellite

Este guia destina-se a ajudá-lo a configurar um servidor Red Hat Satellite para provisionar hosts. Isso inclui a instalação Red Hat Enterprise Linux, descreve uma topologia de rede típica e os serviços esperados disponíveis, e registra o host ao Red Hat Subscription Management.

1.1. Criando um Red Hat Enterprise Linux Host

Instale Red Hat Enterprise Linux Server, versão 6.6 ou posterior a esta no x86_64 utilizando o conjunto de pacote @Core ou @Base. Para mais informações sobre como instalar Red Hat Enterprise Linux, veja Red Hat Enterprise Linux 6 Installation Guide.

1.2. Configurando a Topologia de Rede

Este guia assume que o host executando Satellite 6 é implantado em uma sub-rede dedicada, onde ele pode ativar os serviços DHCP, DNS e TFTP. Estes exemplos usam a subrede 172.17.13.0/24. Além disso, ele usa o domínio DNS example.org, que é gerenciado pelo Satellite.
Estes exemplos também assumem os seguintes detalhes da rede para o host do Satellite. Ajuste esses parâmetros para adequar sua implantação:
  • Hostname: satellite.example.org
  • IP address = 172.17.13.2
  • Netmask: 255.255.255.0

1.3. Registrando e Configurando um Host

As seções seguintes descrevem como registrar o seu host, identificar assinaturas, e anexar as assinaturas para que o host possa consumir conteúdo.

1.3.1. Registrando no Red Hat Subscription Management

O primeiro passo neste processo é registrar o host no Red Hat Subscription Management. Isso permite que o host se inscreva e consuma o conteúdo de quaisquer assinaturas disponíveis ao usuário. Isto inclui conteúdos como Red Hat Enterprise Linux, Red Hat Software Collections (RHSCL), e Red Hat Satellite. Utilize o comando subscription_manager register para registrar seu Satellite:
# subscription-manager register
Username: demouser
Password:
The system has been registered with ID: 541084ff2-44cab-4eb1-9fa1-7683431bcf9a

1.3.2. Identificando uma Subscrição Satellite

Depois de ter registado o seu host, você precisa identificar seu ID do Pool de subscrição do Satellite . Você precisa deste ID para que você possa anexar a assinatura necessária ao seu host. A subscrição do Satellite fornece acesso ao conteúdo do Satellite, bem como Red Hat Enterprise Linux, Red Hat Software Collections (RHSCL), and Red Hat Satellite. Esta é a única assinatura necessária.
Execute o seguinte comando para identificar sua subscrição do Satellite:
# subscription-manager list --all --available
Subscription Name: Red Hat Satellite
Provides:          Oracle Java (for RHEL Server)
                   Red Hat Satellite 6 Beta
                   Red Hat Enterprise Linux Server
                   Red Hat Satellite
                   Red Hat Enterprise Linux Load Balancer (for RHEL Server)
SKU:               MCT0370
Pool ID:           8a85f9874152663c0541943739717d11
Available:         3
Suggested:         1
Service Level:     Premium
Service Type:      L1-L3
Multi-Entitlement: No
Ends:              10/07/2014
System Type:       Physical

Importante

Anote o ID do Pool; você precisa deste valor para anexar a sua assinatura ao seu host do Satellite. Neste exemplo, o ID do pool é 8a85f9874152663c0541943739717d11. O ID do pool para sua subscrição será diferente.
Execute o seguinte comando para anexar sua subscrição ao seu Satellite. Certifique-se de substituir seu próprio ID de Pool:
# subscription-manager attach --pool=8a85f9874152663c0541943739717d11
Anexou a subscrição com sucesso para: Red Hat Satellite
Execute o seguinte comando para garantir que as subscrições foram anexadas com sucesso:
# subscription-manager list --consumed
+-------------------------------------------+
   Consumed Subscriptions
+-------------------------------------------+
Subscription Name: Red Hat Satellite
Provides:          Red Hat Satellite
                   Red Hat Enterprise Linux Server
                   Red Hat Software Collections (for RHEL Server)
                   Red Hat Satellite Beta
                   Red Hat Satellite 6 Beta
                   Red Hat Software Collections Beta (for RHEL Server)
                   Red Hat Satellite Capsule Beta
                   Red Hat Enterprise Linux Load Balancer (for RHEL Server)
                   Red Hat Satellite with Embedded Oracle
                   Red Hat Satellite Capsule
                   Red Hat Enterprise Linux High Availability (for RHEL Server)
SKU:               MCT0370
Contract:          10293569
Account:           5361051
Serial:            1653856191250699363
Pool ID:           8a85f9874152663c0541943739717d11
Active:            True
Quantity Used:     1
Service Level:     Premium
Service Type:      L1-L3
Status Details:
Starts:            10/08/2013
Ends:              10/07/2014
System Type:       Physical

1.3.3. Configurando Repositórios

Você precisa desabilitar todos os repositórios existentes e habilitar somente o Red Hat Enterprise Linux 6, Red Hat Software Collections, e repositórios Satellite 6. Execute os seguintes comandos:
# subscription-manager repos --disable=*
# subscription-manager repos --enable rhel-6-server-rpms \
--enable rhel-server-rhscl-6-rpms --enable rhel-6-server-satellite-6.0-rpms

1.3.4. Instalando Satellite 6

Execute o seguinte comando para instalar Satellite 6:
# yum install katello

Capítulo 2. Configurando Serviços do Servidor Red Hat Satellite

Neste exemplo de configuração, o Satellite é responsável por fornecer hosts na subrede 172.17.13.0/24. Esta seção descreve como configurar DNS, DHCP, and TFTP para que eles sirvam os clientes que estão recebendo os serviços na subrede.

2.1. Configurando DNS, DHCP, e TFTP

Esta seção descreve como configurar o Satellite para executar o BIND (named) para prover serviços autoritativos de DNS para o domínio example.org e para a subrede 172.17.13.x . Isto requer a definição de uma zona DNS para buscas avançado, as quais estarão contidas no arquivo de zona example.org. Além disso, uma zona para buscas reversas será criada para a subrede 172.17.13.x, a qual estará contida no arquivo da zona reversa 13.17.172.in-addr.arpa. Isto assegura que os hosts fornecidos a partir do Satellite usem os parâmetros de resolução de nome correto. Esta seção também descreve como configurar o proxy TFTP para que os hosts possam inicializar utilizando o PXE.
Clientes nesta rede terão as seguintes características:
  • Ter acesso aos endereços IP da classe 172.17.13.100 to 172.17.13.150 para DHCP.
  • Usar o Satellite (satellite.example.org at 172.17.13.2) para DNS.
  • Receber um arquivo pxelinux.0 do Satellite (satellite.example.org em 172.17.13.2) para permitir a inicialização do PXE.
  • Possuir nomes de host de hostname.example.org, onde hostname está configurado quando o host recebe o serviço.

Importante

Este exemplo habilita os serviços DHCP no servidor Satellite. Consulte seu administrador de rede antes de proceder.

2.1.1. Opções de Configuração do Satellite

Esta tabela descreve as diversas opções e os valores necessários para configurar corretamente o servidor Satellite. O comando katello-installer utiliza o Puppet. Consequentemente, ele irá instalar pacotes adicionai(bind, dhcp, xinetd, e assim por diante) e irá configurá-los para adicionar a função requisitada.
Para obter uma lista de opções disponíveis completa, execute katello-installer --help.

Tabela 2.1. Opções de Configuração do Satellite

Opção
Descrição
Valor
--foreman-admin-username O nome do usuário para o administrador inicial (Usuário especificado)
--foreman-admin-password A senha para o administrador inicial. (Usuário especificado)
--capsule-dns Habilitar a capacidade do DNS proxy sim
--capsule-dns-interface Quando a interface named deveria esperar.r eth0
--capsule-dns-zone A zona Avançada do DNS, a qual o Satellite irá acomodar. example.org
--capsule-dns-forwarders O servidor DNS para onde as pesquisas são enviadas. 172.17.13.1
--capsule-dns-reverse A zona reversa de DNS que o Satellite acomoda. Isto é geralmente os primeiros três octetos do endereço IP (172.17.13) ao reverso, e adicionado ao ".in-addr.arpa". 13.17.172.in-addr.arpa
--capsule-dhcp Habilitar a capacidade do DHCP proxy sim
--capsule-dhcp-interface A interface por quem o DHCP espera. eth0
--capsule-dhcp-range A classe de endereços IP para enviar aos clientes. 172.17.13.100 172.172.13.150
--capsule-dhcp-gateway O gateway IP padrão para enviar aos clientes. 172.17.13.1
--capsule-dhcp-nameservers O host que os clientes devem usar para resolução de nome. Isto deve ser configurado com o IP do Satellite neste modelo de implementação. 172.17.13.2
--capsule-tftp Autorizar a capacidade do proxy TFTP. Isto é necessário para inicializar o PXE de clientes. sim
--capsule-tftp-servername Ajustar o nome de host do TFTP. Defina este para coincidir com o nome do host do servidor (satellite.example.org). $(hostname)
--capsule-puppet Habilitar o Puppet Master. sim
--capsule-puppetca Habilitar o Puppet CA. sim

2.1.2. Configurando os Serviços do Satellite.

Execute o seguinte comando katello-installer como root, usando as opções especificadas para configurar os serviços necessários no servidor Satellite. Lembre-se de substituir o seu nome de usuário e senha de administrador desejado.

Importante

  • Caso já tenha instalado o Satellite utilizando as instruções no Installation Guide, não inclua as opções --foreman-admin-username e --foreman-admin-password no seguinte comando.
  • Se você não especificar o nome de usuário e senha do administrador, o usuário padrão admin será criado, e a senha será gerada automaticamente. As credenciais são apresentadas no final do processo de instalação. Anote esta senha. Você também pode recuperar a senha de parâmetro admin_password no /etc/katello-installer/answers.katello-installer.yaml .
katello-installer \
--foreman-admin-username admin-username \
--foreman-admin-password admin-password \
--capsule-dns true \
--capsule-dns-interface eth0 \
--capsule-dns-zone example.org \
--capsule-dns-forwarders 172.17.13.1 \
--capsule-dns-reverse 13.17.172.in-addr.arpa \
--capsule-dhcp true \
--capsule-dhcp-interface eth0 \
--capsule-dhcp-range "172.17.13.100 172.17.13.150" \
--capsule-dhcp-gateway 172.17.13.1 \
--capsule-dhcp-nameservers 172.17.13.2 \
--capsule-tftp true \
--capsule-tftp-servername $(hostname) \
--capsule-puppet true \
--capsule-puppetca true
Ao final do processo de instalação, o katello-installer fornecerá o resultado da instalação.
 Success!
  * Katello is running at https://satellite.example.org
      Default credentials are 'admin:*******'
  * Capsule is running at https://satellite.example.org:9090
  * To install additional capsule on separate machine continue by running:"

      capsule-certs-generate --capsule-fqdn "$CAPSULE" --certs-tar "~/$CAPSULE-certs.tar"

  The full log is at /var/log/katello-installer/katello-installer.log
Use um navegador da web para navegar até https://satellite.example.org para exibir a home page Satellite. Este exemplo usa a organização padrão (Default_Organization) e no local padrão.

2.2. Associar Objetos com a Organização Padrão e local

Como o Satellite 6 suporta múltiplas organizações (divisões de gerenciamento lógico) e locais (divisões físicas de entrega de conteúdo), você precisa associar seus modelos, sub-redes e outros itens necessários ao provisionamento com a organização padrão (Default_Organization) e o local padrão (Default_Location ).
Use os procedimentos a seguir para disponibilizar todo o conteúdo "pré-semeado" à organização padrão (Default_Organization):

Procedimento 2.1. Para Especificar o Local Padrão:

  1. No menu principal, clique em AdministerLocations e depois clique em Default_Location na coluna Name.
  2. Clique em Organizations para exibir uma lista das organizações.
  3. Clique em Default_Organization para adicioná-lo a lista Selected items e depois clique em Submit.

Procedimento 2.2. Para Especificar a Organização Padrão:

  1. No menu principal, clique em AdministerOrganizações e depois clique em Default_Organização na coluna Nome.
  2. Clique em Locations para exibir a lista de locais disponíveis.
  3. Clique em Default_Locais para adicioná-lo a lista Selected items e depois clique em Submit.

Procedimento 2.3. Para Associar o Domínio com a Organização Padrão:

  1. No menu principal, clique em infraestruturaDomíniospara abrir a páginaDomínios
  2. Clique em example.orgna coluna Description. Isto abrirá a tela Edit Domain onde você poderá atualizar detalhes do domínio.
  3. Na aba Domain, mude o domínio do DNS para refletir o nome do host do Satellite.
  4. Defina o valor DNS Capsule ao servidor Satellite.
  5. Na aba Locations clique em Default_Location para adicioná-lo à lista Selected items. Isto associa o domínio ao local padrão.
  6. Na aba Organizations clique em Default_Organization para adicioná-lo à lista Selected items. Isto associa o domínio à organização padrão.
  7. Clique em Enviar para aplicar as mudanças.

Procedimento 2.4. Para Selecionar a Subrede Padrão:

  1. No menu principal, clique em InfraestruturaSubrede.
  2. Clique em Nova Subrede e complete a seguinte informação. Lembre-se de atualizar os detalhes para se adequar à sua própria implementação:
    • Nome: Provisioning_Net
    • Endereço de Rede: 172.17.13.0
    • Network mask: 255.255.255.0
    • Endereço do Gateway: 172.17.13.1
    • Servidor Primário do DNS: 172.17.13.2
    • Servidor de DNS Secundário: Deixar em branco
    • Iniciar a Classe IP: 172.17.13.100
    • Final da Classe IP: 172.17.13.150
    • VLAN ID: Deixar em branco
  3. Clique em Enviar (Submit)
  4. Clique em Provisioning_Net para editar a subrede.
  5. Na aba Domains selecione example.org
  6. Na aba Capsulas, mude as cápsulas do DNS, DHCP e TFTP para refletir o nome do host do Satellite.
  7. Na aba Locations selecione Default_Location sob Todos os itens para associar o domínio ao local padrão.
  8. Na aba Organizations selecione Default_Organization sob Todos os itens para associar o domínio à organização padrão.

Procedimento 2.5. Para associar a Mídia de Instalação às Organizações e Locais:

  1. No menu principal, clique em HostsMídia de Instalação.
  2. Na coluna do Nome, clique no nome da mídia que você deseja utilizar.
  3. Na aba Locations, adicione o local requerido à lista de itens selecionados.
  4. Na aba Organizations, adicione a organização requerida à lista de itens selecionados e depois clique em Enviar.

Capítulo 3. Importando Subscrições e Sincronizando Conteúdo

Esta seção descreve como configurar Satellite para baixar e gerenciar conteúdo. Isso inclui o upload de um arquivo de manifesto para o servidor do Satellite, permitindo os repositórios da Red Hat , criarem produtos personalizados, e sincronizarem conteúdo.

3.1. Criando um Manifesto

Esta seção descreve como criar um manifesto adequado para seu Red Hat Satellite.

Procedimento 3.1. Para Criar um manifesto para Satellite 6:

  1. Navegue até access.redhat.com e clique em SUBSCRIPTIONS no menu principal.
  2. Na seção Red Hat Subscription Management sob Subscription Management Applications, clique em Satellite.
  3. Localize o sistema para o qual você precisa criar o manifesto. Certifique-se de selecionar a versão correta.
  4. Para cada subscrição que você deseja anexar, selecione a caixa de seleção para esta subscrição, e especifique a quantidade de subscrições a anexar.
  5. Clique em Attach Selected.

    Nota

    Isto pode levar algum tempo para que todas as subscrições sejam anexadas. Atualize a tela algumas vezes até que você receba a confirmação de que as subscrições estão anexadas.
  6. Depois que as subscrições forem anexadas, clique em Download Manifest e salve o arquivo do manifesto em um local conhecido.

3.2. Carregando um Manifesto ao Servidor Satellite

Procedimento 3.2. Para Carregar um Manifesto ao seu Servidor do Satellite:

  1. Caso ainda não tenha selecionado a Organização correta, clique em Any ContextQualquer OrganizaçãoDefault_Organization.
  2. Clique em ContentRed Hat Subscrições
  3. Clique em Manage Manifest para abrir a página Subscriptions
  4. Clique em Browse para selecionar um manifesto adequado, e depois clique em Open.
  5. Clique em Upload para carregar o manifesto no servidor Satellite.

3.3. Habilitando os Repositórios da Red Hat

Esta seção descreve como habilitar os repositórios necessários da Red Hat a fim de suportar a provisão de um host Red Hat Enterprise Linux 6. Selecione o lançamento necessário para atender a sua implementação. Este procedimento possibilita os seguintes repositórios:
  • Red Hat Enterprise Linux 6 Server (Kickstart): Isto permite o Satellite a realizar o kickstart em um host. Isto é um pouco análogo em um Satellite 5 "kickstart tree."
  • Red Hat Enterprise Linux 6 Server (RPMs): Isto fornece conteúdo e errata contínuo. Isto é um pouco análogo ao canal Satellite 5 "rhel-x86_64-server-6".
  • Red Hat Enterprise Linux 6 Server - Satellite Tools (RPMs): Isto fornece suporte de software, como o Puppet e katello-agent. Isto é um pouco análogo ao canal Satellite 5 "rhn-tools-rhel-x86_64-server-6"

Procedimento 3.3. Para Habilitar Repositórios da Red Hat:

  1. Selecione ContentRed Hat Repositories.
  2. Na aba Kickstarts vá até Red Hat Enterprise Linux ServerRed Hat Enterprise Linux 6 Server (Kickstart) e selecione o repositório Red Hat Enterprise Linux 6 Server Kickstart x86_64 6.5 (ou posteriores).

    Importante

    Não selecione o repositório 6Server Kickstart; versões futuras do Satellite escondem estes repositórios Kickstart desnecessários.
  3. Na aba RPMs navegue até Red Hat Enterprise Linux ServerRed Hat Enterprise Linux 6 Server (RPMs) e selecione o repositório Red Hat Enterprise Linux 6 Server RPMs x86_64 6Server.
  4. Na aba RPMs navegue até Red Hat Enterprise Linux ServerRed Hat Enterprise Linux 6 Server Satellite Tools (RPM) e selecione o repositório Red Hat Enterprise Linux 6 Server Satellite Tools RPMs x86_64 .

3.4. Criando Produtos e Repositórios Padronizados

Esta seção descreve como criar um produto padronizado, refletindo os módulos Puppet para implementar. Você também pode usar este procedimento para criar repositórios padronizados para ambos Puppet e Yum.

Procedimento 3.4. Para Criar um Produto Personalizado:

  1. Clique em ContentProducts e depois clique em New Product.
  2. Insira o Custom Products no campo Name. O rótulo é gerado automaticamente. Você não precisa inserir uma chave GPG, plano de sincronização ou descrição.
  3. Clique em Save.
  4. Após atualizar a tela, clique em Create Repository.
  5. Insira o Puppet Modules para o nome. O rótulo é gerado automaticamente.
  6. No campo Type selecione puppet. Deixe o campo URL em branco.
  7. Clique em Save.
O próximo passo é fazer o upload de um Módulo de Puppet ao repositório Módulo Puppet. Você também pode usar o https://forge.puppetlabs.com como a URL para espelhar Puppet Forge localmente. Isso significa que todo o conteúdo do Puppet Forge estará disponível em seu Satellite. No entanto, isso requer que baixe mais de 2700 módulos e pode levar um tempo considerável, dependendo da largura de banda disponível. Este exemplo usa o módulo motd porque é simples, e não tem dependências em outros módulos.

Procedimento 3.5. Para Carregar o Módulo Puppet para o Repositório:

  1. Baixe o módulo motd puppet a partir do https://forge.puppetlabs.com/jeffmccune/motd. O arquivo que você baixar terá uma extensão com nome .tar.gz.
  2. Clique em ContentProducts e depois clique em Custom Products no campo Name.
  3. Na abaRepositories clique em Puppet Modules para modificar o repositório dos Módulos Puppet.
  4. Na seção Upload Puppet Module clique em Browse, e navegue até o módulo motd que você baixou.
  5. Clique em Upload.

3.5. Sincronizando Conteúdo

Esta seção descreve como sincronizar repositórios do Red Hat Content Delivery Network ao seu Satellite. Este procedimento também se aplica à sincronização de repositórios personalizados (ou seja, Yum ou Puppet) que contêm um URL do repositório.

Procedimento 3.6. Para Sincronizar Repositórios ao seu Satellite:

  1. Clique em ContentSync Status para exibir uma lista com produtos disponíveis.
  2. Navegue até Red Hat Enterprise Linux Server6Serverx86_64.
  3. Selecione os seguintes produtos:
    • Red Hat Enterprise Linux 6 Server RPMs x86_64 6Server.
    • Red Hat Enterprise Linux 6 Server - Satellite Tools RPMs x86_64.
  4. Navegue até Red Hat Enterprise Linux Server6.6x86_64 e selecione Red Hat Enterprise Linux 6 Server Kickstart x86_64 6.6.
  5. Clique em Sincronizar Agora.
Espere até que os repositórios sincronizem, isto pode levar algum tempo, dependendo da largura de banda disponível.

Capítulo 4. Gerenciamento de Conteúdo e Promoção

Este capítulo descreve como configurar o aplicativo Ambientes de Ciclo de Vida e a Visualização de Conteúdo, bem como a forma de adicionar repositórios Red Hat Enterprise Linux e módulos de puppet. Ele também descreve como publicar Visualização de Conteúdo e como criar e editar Chaves de Ativação.
Os procedimentos descritos neste capítulo pressupõem que você concluiu com êxito as etapas Capítulo 3, Importando Subscrições e Sincronizando Conteúdo.

4.1. Criando os Ambientes do Ciclo de Vida do Aplicativo

Um Ambiente do Aplicativo do Ciclo de Vida representa um passo ou etapa, em um caminho de promoção através do Ciclo de Vida de Desenvolvimento do Software (SDLC). A primeira parte deste exemplo configura dois Ambientes de Ciclo de Vida: Dev; e QA. A segunda parte do exemplo cria uma Visualização de Conteúdo para ser usada com estes ambientes.

Procedimento 4.1. Para Criar os Ambientes do Ciclo de Vida do Aplicativo

  1. Clique em ContentLife Cycle Environments para abrir a tela Life Cycle Environment Paths.
  2. Clique em Add New Environment para exibir a página New Environment. A Library é a origem de todo o conteúdo que você pode usar em seu ambiente.
  3. Digite Dev no campo Name; o rótulo é populado automaticamente com o mesmo nome, mas você pode mudá-lo para se adequar às suas necessidades. Você pode adicionar uma descrição de seu ambiente caso deseje.
  4. Clique em Save para salvar o novo ambiente e retornar à página anterior.
  5. Clique no Add New Environment novamente e desta vez crie um ambiente chamado QA .
  6. Clique em Save.

4.2. Criando Visualizações de Conteúdo

A Visualização de Conteúdo é uma seleção de conteúdo gerenciado, que contém um ou mais repositórios (yum ou Puppet) com filtragem opcional. Esses filtros podem ser inclusivos ou exclusivos, e adequar um modo de host de conteúdo para gerenciamento do ciclo de vida. Eles são usados para personalizar o conteúdo a ser disponibilizado para hosts clientes.

Procedimento 4.2. Criar umaVisualização de Conteúdo

  1. Clique em ContentContent Views de depois clique em Create New View.
  2. Digite o RHEL6 x86_64 no campo Name; o rótulo é populado automaticamente.
  3. Certifique-se de que a caixa de seleção de Composite View está limpa, depois clique em Save.
Depois de ter criado a Visualização de Conteúdo com sucesso, a tela Seleção de Repositório exibe automaticamente. Use esta tela para adicionar repositórios selecionados e Módulos Puppet para a visualização de conteúdo.

4.3. Adicionando os Repositórios Red Hat Enterprise Linux

O procedimento a seguir descreve como adicionar repositórios Enterprise Linux para a visualização de conteúdo criada na etapa anterior. Você pode usar o mesmo procedimento para adicionar qualquer Red  Hat ou repositório personalizado.
Este exemplo mostra um caso de uso simples, onde todo o conteúdo é publicado. Você também pode criar filtros para controlar o conteúdo que está incluído ou excluído da Visualização de Conteúdo publicada.

Procedimento 4.3. Para adicionar Repositórios Red Hat Enterprise Linux RPM

  1. Na tela Content Selection , na guia Adicionar , marque a caixa de seleção ao lado de cada um dos seguintes repositórios:
    • Red Hat Enterprise Linux 6 Server Kickstart x86_64 6Server
    • Red Hat Enterprise Linux 6 Server RPMs x86_64 6Server
    • Red Hat Enterprise Linux 6 Server - Satellite Tools RPMs x86_64
  2. Clique em Adicionar Repositórios . Depois da página ter sido atualizada, você pode ver a lista de repositórios na sua Visualização de Conteúdo na aba Listar/Remover .

4.4. Adicionando Módulos do Puppet

O procedimento a seguir descreve como adicionar o motd Puppet Module que foi carregado em Procedimento 3.5, “Para Carregar o Módulo Puppet para o Repositório:”. O Puppet Module é um conjunto independente de código e dados, que você pode usar para gerenciar os recursos, tais como usuários, arquivos e serviços.

Procedimento 4.4. Para adicionar o módulo puppet:

  1. Certifique-se que está ainda na página Content Views; no menu principal, clique em ContentContent Views.
  2. Na aba Puppet Modules clique em Add New Module para exibir uma lista dos Puppet Modules disponíveis. Você poderá utilizar o campo Filter para ajudar a localizar o módulo necessário.
  3. Clique em Select Version para selecionar o módulo motd.
  4. Clique em Select Version próximo à versão do módulo que você deseja adicionar.

    Nota

    Se você selecionar "Usar o mais recente" quando você selecionar a versão do módulo de Puppet a usar, significa que sempre que uma nova versão da Visualização de Conteúdo for publicada, a última versão do módulo será incluída na visualização publicada.

4.5. Publicando uma Visão do conteúdo

Se você concluiu com êxito todas as etapas anteriores, o Red Hat Satellite agora tem uma visualização de conteúdo, que contém três repositórios do Red Hat Enterprise Linux, e um módulo de Puppet. O próximo passo é publicá-lo na Biblioteca.

Procedimento 4.5. Para Publicar uma visualização de conteúdo na Biblioteca:

  1. Clique em ContentContent Views para exibir a página Visualização de Conteúdo.
  2. Clique no Nome da exibição de conteúdo que você deseja publicar.
  3. Clique Publicar Nova Versão para exibir a página Publicar Nova Versão . Isso especifica a versão e permite que você insira um comentário para refletir quaisquer alterações realizadas na visualizaçãod e Conteúdo.
  4. Clique em Salvar para publicar a Visualização de Conteúdo na Biblioteca. Você poderá monitorar o progresso da publicação na tela na qual aparece.
  5. Quando o processo de publicação estiver completo, clique em Promote para exibir a lista de Caminhos de Promoção disponíveis (Library -> Dev -> QA).
  6. Selecione a caixa de seleção para ambiente Dev, e depois clique em Promote Version.

4.6. Criando e Editando Chaves de Ativação

Depois de ter publicado com sucesso uma visualização de conteúdo, você precisa criar uma chave de ativação. Num processo posterior, a chave de ativação está associada a um grupo de hosts. Isso permite que o host provisionado faça o registro no Satellite e associadas ao Ambiente de Ciclo de Vida selecionado, Exibição de Conteúdo, Assinaturas, e assim por diante.

Procedimento 4.6. Para criar uma Chave de Ativação:

  1. No menu principal, clique em ContentActivation Keys e depois clique em New Activation Key.
  2. No campo Nome, digite ak-Reg_to_Dev.
  3. Para este exemplo, limpe a caixa de seleção de Content Host Limit.
    Você pode usar esse campo para controlar quantas vezes uma determinada chave de ativação é usada. Por exemplo, se você associar a chave com uma assinatura que tem uma quantidade limitada, você pode definir o limite para a chave de ativação para eliminar acima dessa quantidade.
  4. Selecione a caixa de seleção para ambiente Dev.
  5. Na lista suspensa da Visualização de Conteúdo, selecione RHEL 6 x86_64 Content View, e clique em Salvar.
Depois de ter criado a Chave de Ativação, você poderá editar diversos parâmetros para esta chave.

Procedimento 4.7. Para Editar Parâmetros da Chave de Ativação:

  1. Na página de Activation Keys clique em SubscriptionsAdd para exibir a lista de subscrições disponíveis.
  2. Selecione uma caixa próxima à cada subscrição que você deseja anexar a cada host que usa esta chave de ativação.
  3. Clique em Adicionar Selecionados.

Capítulo 5. Finalizando a Configuração de Provisionamento

Depois de ter criado com sucesso uma Visualização de Conteúdo e Chave de Ativação, você precisa configurar os demais itens necessários para a provisão de um host. Isso inclui a configuração de modelos de provisionamento e a criação de grupos de hosts.

5.1. Criando Modelos de Provisionamento

Esta seção descreve como configurar um modelo de provisionamento que você pode usar para prestação de múltiplos hosts, cada um com a mesma configuração.

Procedimento 5.1. Para Criar um Modelo de Provisionamento:

  1. No menu principal, clique em HostsModelos de Provisionamento.
  2. Na coluna Name clique em Satellite Kickstart Default na lista de modelos de provisionamento. Isto exibe as abas de configuração onde você padroniza o modelo.
  3. Na aba Association selecione RHEL Server 6.5 a partir da lista de sistemas operacionais aplicáveis, e depois clique em Submeter.
  4. Na coluna Name clique em Kickstart default PXELinux na lista de modelos de provisionamento.
  5. Na aba Association selecione RHEL Server 6.5 a partir da lista de sistemas operacionais aplicáveis, e depois clique em Submeter.
  6. No menu principal, clique em HostsOperating Systems e depois clique em RHEL Server 6.5. Isto irá exibir as abas de configuração onde você poderá padronizar o sistema operacional.
  7. Na aba Partition Table selecione Kickstart Default.
  8. Na mídia de Instalação, certifique-se de que o Default_Organization/Library/Red_Hat_6_Server_Kickstart_x86_64_6Server está visível e selecionado.
  9. Nas abas de Modelo, selecione Kickstart default PXELinux from the PXELinux a partir da lista suspensa.
  10. Selecione Satellite Kickstart Default a partir da lista suspensa Provision e depois clique em Submeter.

5.2. Criando Grupos de Host

Esta seção descreve como criar e configurar um grupo de hosts. Um grupo de hosts é efetivamente um modelo de máquina que você pode reutilizar para prover à vários hosts, sem a necessidade de especificar as mesmas propriedades para cada host.

Procedimento 5.2. Para criar um Grupo de Host:

  1. No menu principal, clique em ConfigureHost Groups, e depois clique em New Host Group.
  2. Na aba Host Group complete os seguintes valores:
    • Nome: RHEL6Server-x86_64
    • Ambiente de Ciclo de Vida: Default_Organization/DEV
    • Visualização de conteúdo: RHEL_6_x86_64

      Nota

      O campo aparece somente depois que você inserir um valor no campo Ambiente de Ciclo de Vida
    • Fonte de Conteúdo: O FQDN do seu Capsule (que pode ser o Servidor Satellite).
    • Puppet CA: O FQDN do seu Satellite.
    • Puppet Master: O FQDN do seu Satellite.
  3. Na aba Puppet Classes, selecione o módulo motd puppet, a partir da lista de classes disponíveis.
  4. Na aba Network, selecione os seguintes valores:
    • Domínio: example.org
    • Subnet: Provisioning_Net
    • Realm: Para os fins deste exemplo, deixe este campo em branco. Se você tiver configurado o gerenciamento do território, por exemplo IPA, selecione o domínio apropriado aqui.
  5. Na aba Sistema Operacional, selecione os seguintes valores:
    • Arquitetura: x86_64
    • Sistema operacional: RHEL Server 6.5
    • Mídia: Default_Organization/Library Red Hat Server 6.5 x86_64. Neste exemplo, ele já é populado automaticamente.

      Nota

      Se este campo não estiver preenchido automaticamente, significa que a Organização e associações de localização não estão configurados corretamente. Veja Procedimento 2.5, “Para associar a Mídia de Instalação às Organizações e Locais:”.
    • Tabela de Partição: Kickstart default
    • Senha Root: changeme
  6. Na aba Locais, selecione Default_location.
  7. Na aba Organizations selecione Default_Organization.
  8. Na aba Activation Keys selecione ak-Reg_To_Dev na lista Activation Keys.
  9. Clique em Enviar

Capítulo 6. Hosts de Provisionamento

Este capítulo descreve como configurar um novo host usando o Red Hat Satellite Server. Os capítulos anteriores instalavam e configuravam tudo o que é necessário para o provisionamento; certifique-se de que você concluiu com êxito todas as tarefas nesses capítulos antes de tentar hosts de provisão.
O Satellite fornece duas maneiras importantes de provisionar hosts: Inicializando com PXE, o qual requer os serviços DHCP e TFTP; e inicializar o provisionamento de disco, o qual fornece o provisionamento de host quando os serviços de PXE não estão mais disponíveis.

6.1. Provisionando um Host Usando PXE

O procedimento a seguir descreve como provisionar um host do servidor Satellite 6.

Procedimento 6.1. Para Provisionar um Host:

  1. No menu principal, clique em HostsNew Hostpara abrir a páginaNew Host
  2. Na aba Hostcomplete os seguintes valores:
    • Nome: Escolha um nome adequado para seu host. Por exemplo, host1.example.org.
    • Host Group: Select RHEL6Server-x86_64

      Nota

      Novos hosts herdam os valores padrão configurados para o grupo de host. Isto significa que você pode construir rapidamente um host sem reinserir estes valores.
    • Fonte de Conteúdo: O $FQDN do seu Satellite. Este é selecionado automaticamente baseado no Grupo de Host.
  3. Na aba Networkcomplete os seguintes valores:
    • MAC Address: O MAC address do novo host. O servidor Satellite reserva um endereço DHCP usando este valor. Certifique-se de que você o inseriu corretamete.
    • Subrede: Provisioning_Net Este valor é populado automaticamente.
    • Endereço IP: Este valor é populado automaticamente.
    Não faça nenhuma mudança no Puppet Classes, Operating System, Parameters, ou abas Additional Information.
  4. Clique em Enviar (Submit)
  5. Ligue sua máquina (física ou virtual); ela irá inicializar o PXE e iniciar seu processo de instalação.
Veja https://access.redhat.com/articles/1169613 para obter mais informações.

6.2. Provisioning a Host Using a Boot Disk

O modelo de fornecimento de rede via satélite é geralmente baseado em PXE, o que requer serviços de DHCP e TFTP. Como nem todas as implantações de satélite possuem estes serviços disponíveis, o recurso de provisionamento de disco de inicialização fornece hosts específicos,host completo, e tipos de imagens de disco de inicialização genéricos para permitir provisionamento em tais implementações.
Cada tipo de imagem de disco de inicialização possuem suas próprias vantagens, mas todos são projetados para ambientes sem controle da infra-estrutura de rede; consequentemente, não são necessárias reservas de DHCP ou configurações TFTP.
Imagens de inicialização são gravadas como imagens ISO híbridas (usadas como arquivos ISO ou discos USB), e pode ser inicializadas a partir de uma mídia física ou de um disco virtual ou CD.

Tabela 6.1. Comparação das Características de Tipo de Imagem de Inicialização

Tipo Genérico DHCP Requerido Reserva de DHCP Pré-registrar Máquina Sistema Operacional Específico
Imagem específico do host Não Não Não Sim Não
Imagem de host completa Não Sim Não Sim Sim
Imagem genérica Sim Sim Não Sim Não

6.2.1. Pré-requesitos

Todos os pacotes necessários para o recurso de disco de inicialização via satélite são normalmente instalados por padrão. Certifique-se de abordar as seguintes condições antes de continuar:
  • Independentemente do tipo de imagem que você usa, o host deve estar registrado para Satélite antes de inicializar a partir da imagem. Hosts são identificados pelo seu endereço MAC ou IP para fornecer o modelo de provisionamento correto se o host estiver no modo de construção.
  • Para imagens de host específicos, assegure-se que os endereços IP de host e sub-redes são preenchidas, e a gateway da sub-rede, a máscara de sub-rede, e resolvedores DNS sejam configurados corretamente. Navegue até Infra-estrutura Sub-redes para configurar estes valores.
  • Para permitir o acesso a imagens para usuários não-administrativos, adicione a função de "acesso ao disco de inicialização" a um usuário ou adicione a permissão "download_bootdisk" a uma função existente.
  • Certifique-se que os modelos de provisionamento iPXE apropriados estão disponíveis. Red  Hat Enterprise  Linux utiliza o modelo "padrão Kickstart iPXE".

    Nota

    As imagens gPXE Atualmente sem suporte.
    Tipos de imagens de host e genéricas são baseados na tecnologia iPXE, que suporta um conjunto diferente de drivers de hardware de PXELINUX. Veja http://ipxe.org/appnote/hardware_drivers para a lista de hardware suportado.
    Se você encontrar problemas com iPXE, imagens de host completos contêm núcleos internos e discos de RAM e podem carregar em qualquer tipo de placa de rede, incluindo aqueles sem suporte PXE.
  • Garanta que os modelos padrão apropriados estão disponíveis. Red Hat Enterprise Linux utiliza "default Kickstart RHEL" como o modelo de provisionamento.

Importante

Se você não estiver usando os modelos de provisionamento kickstart do Satellite padrão, certifique-se que os modelos que você usa fornecem os detalhes IP estáticos necessários para configurar o sistema operacional. Para um arquivo de kickstart, você pode usar a seguinte configuração:
network --bootproto <%= @static ? "static" : "dhcp" %> --hostname <%= @host %> <%= " --ip=#{@host.ip} --netmask=#{@host.subnet.mask} --gateway=#{@host.subnet.gateway} --nameserver=#{@host.subnet.dns_primary},#{@host.subnet.dns_secondary}" if @static %>

6.2.2. Criando Imagens de Disco de Inicialização

Esta seção descreve como criar imagens de disco de inicialização genéricos específicos do host, completo, e imagens de disco de inicialização genéricas. Você pode usar a interface do usuário da Web ou da linha de comando para criar as imagens; Ambos os métodos são descritos.

Nota

Para criar imagens usando a linha de comando, certifique-se que o pacote ruby193-rubygem-foreman_bootdisk está instalado.Ele normalmente é instalado por padrão.

6.2.2.1. Criando Imagens de host específicos

Você pode usar os dados de host e sub-rede no Satellite para criar imagens específicas de host com rede estática. O comportamento é dinâmico; a imagem da cadeia de cargas do Satellite e, consequentemente, o sistema operacional atual e estado de construção são fornecidos pelo Satellite em vez de serem armazenados na imagem.

Procedimento 6.2. Para Criar uma Imagem de Host específico usando o Web UI:

  1. Navegue até HostsAll hosts e clique no nome do host adequado.
  2. Clique em Boot disk e depois Host hostname image.
Para criar uma imagem específica do host usando a ferramenta CLI hammer execute o seguinte comando:
# hammer bootdisk host --host client.example.com
Para criar uma imagem específica do host a partir da linha de comando no servidor Satellite, execute o seguinte comando:
# foreman-rake bootdisk:generate:host NAME=client.example.com OUTPUT=/tmp
Defina o valor de OUTPUT para um caminho de destino adequado, tanto um diretório ou arquivo. O usuário foreman precisar ter acesso para o destino especificado.

6.2.2.2. Criando Imagens de Host Completo

Imagens de host completos são semelhantes para imagens de host específico, mas ao invés de carga cadeia do Satellite, estas imagens contêm o carregador de inicialização do sistema operacional inicial. Isso é útil para os host que não carregarem a corrente, mas a desvantagem é que a imagem pode ficar desatualizada, se o sistema operacional do host, carregador de boot, ou mudança de modelos, ou se os tokens de construção forem necessários e eles expirarem.

Procedimento 6.3. Para criar uma Imagem de Host Completa Usando o Web UI:

  1. Navegue até HostsAll hosts e clique no nome do host adequado.
  2. Clique em Boot disk e depois Full Host hostname image.
Imagens de host completas levam mais tempo para serem criadas pois o processo baixa os carregadores de inicialização do sistema operacional, que podem ser grandes.
Para criar uma imagemdo host completa usando a ferramenta CLI hammer execute o seguinte comando:
# hammer bootdisk host --host client.example.com --full true
Para criar uma imagem de host completa a partir da linha de comando no servidor Satellite, execute o seguinte comando:
# foreman-rake bootdisk:generate:full_host NAME=client.example.com

6.2.2.3. Criando imagens Genéricas

Imagens genéricas fornecem um único arquivo ISO que pode ser usado por todos os hosts registrados. Detalhes do endereço de IP não podem ser armazenados no interior destas imagens, no entanto, isto significa que a rede deve fornecer um pool de DHCP. Você usa a imagem genérica para arrancar o host, que, em seguida, contata o Satellite para o modelo de um host registrado combinando um endereço MAC ou o IP do host que foi atribuído pelo DHCP.
A instalação pode continuar usando tanto um DHCP atribuído ou endereço IP estático, dependendo de como o modelo iPXE do sistema operacional estiver configurado. Você pode usar o arquivo kickstart para especificar opções de configuração de rede adicional.

Procedimento 6.4. Para Criar uma Imagem Genérica a partir da Web UI:

  1. Navegue até HostsAll hosts e clique no nome do host adequado.
  2. Clique em Boot disk e depois clique em Generic image.
Para criar uma imagem genérica usando a ferramenta CLI hammer execute o seguinte comando:
# hammer bootdisk generic
Para criar uma imagem genérica a partir da linha de comando no servidor Satellite, execute o seguinte comando:
# foreman-rake bootdisk:generate:generic

6.2.2.4. Criando imagens de USB

Quando você criar um arquivo ISO ele também será passado através do comando isohybrid, o que significa que o arquivo resultante também é inicializável como um disco, e adequado para copiar para um dispositivo USB.
Para copiar o arquivo ISO para um dispositivo USB, execute o seguinte comando. Certifique-se que o nome do dispositivo e o arquivo de entrada estão corretos para seu ambiente:
# dd if=fqdn.iso of=/dev/sdX

6.3. Provisionando Hosts com Endereços IP estático

Red Hat Satellite 6 espera que todos os sitemas sejam configurados para o DHCP, pois ele reserva um histórico do DHCP para um endereço MAC específico. Você também pode prover hosts com endereços IP estáticos, usando tanto modelos de provisionamento padronizado, parâmetros de host, ou informações baseadas em subredes.

6.3.1. Usando os Modelos Padronizados para Atribuir Endereços IP Estáticos

Você pode criar um modelo de provisionamento personalizado que fornece suporte IP estático para todos os hosts provisionados. Você pode copiar o modelo de configuração PXE e associá-lo com um sistema operacional diferente, por exemplo "RHEL 7.1 estático". Isto significa que quando você fizer um kickstart de um sistema com esse modelo, ele receberá um IP estático. Este método é necessário atualmente porque Satellite 6.0 e 6.1 não suportam a opção de configuração de IP dinâmico ou estático no fluxo de trabalho existente "Criar Novo Host".
Este método requer que você edite seu modelo PXE para ativar a rede estática. Tal como descrito no exemplo a seguir, editar o modelo PXE e adicionar & static=yes para o fim de cada instância do foreman_url ('provision').

Procedimento 6.5. Para editar um modelo de PXE:

  1. Navegue até HostsAll hosts e clique no nome do host, cujo modelo você deseja editar.
  2. Clique em Templates para exibir a lista de tipos de modelos disponíveis.
  3. Clique em Edit para o tipo PXELinux Template. O modelo exibe no editor de modelo.
  4. Faça as mudanças necessárias e depois clique em Submit. Veja Exemplo 6.1, “Editando o Modelo do PXE para Atribuir os Endereços IP Estáticos” para obter um exemplo de como atualizar um modelo de PXE.

Exemplo 6.1. Editando o Modelo do PXE para Atribuir os Endereços IP Estáticos

default linux
label linux
kernel <%= @kernel %>
<% if @host.operatingsystem.name == 'Fedora' and @host.operatingsystem.major.to_i > 16 -%>
append initrd=<%= @initrd %> ks=<%= foreman_url('provision')%>&static=yes ks.device=bootif network ks.sendmac
<% elsif @host.operatingsystem.name != 'Fedora' and @host.operatingsystem.major.to_i >= 7 -%>
append initrd=<%= @initrd %> ks=<%= foreman_url('provision')%>&static=yes network ks.sendmac
<% else -%>
append initrd=<%= @initrd %> ks=<%= foreman_url('provision')%>&static=yes ksdevice=bootif network kssendmac
<% end -%>
IPAPPEND 2

6.3.2. Usando os Parâmetros do Host para Atribuir os Endereços IP Estáticos

Você pode usar parâmetros de host para definir endereços IP estáticos por host. Quando você criar um novo host, vá até HostsNew host e insira os parâmetros requeridos na aba Parameters.
Exemplo 6.2, “Usando os Parâmetros do Host para Atribuir os Endereços IP Estáticos” demonstra o uso de uma frase if junto com os parâmetros do host para configurar um endereço IP estático.

Exemplo 6.2. Usando os Parâmetros do Host para Atribuir os Endereços IP Estáticos

<% if @host.params['my_param_deploy_static'] == "true" -%>
   network --bootproto <%= "static --ip=#{@host.ip} --netmask=#{@host.subnet.mask} --gateway=#{@host.subnet.gateway} --nameserver=#{[@host.subnet.dns_primary,@host.subnet.dns_secondary].reject{|n| n.blank?}.join(',')}" %> --hostname <%= @host %>
<% else -%>
   network --bootproto 'dhcp' --hostname <%= @host %>
<% end -%>
Veja a Red Hat Satellite 6 User Guide para mais informações

6.3.3. Usando Subredes para Definir Endereços IP Estáticos

Você pode configurar o Red Hat Satellite para fornecer aos hosts um endereço IP estático baseado na sub-rede do host. Quando você configurar sub-redes, você pode especificar DHCP ou modos de inicialização estáticos. O programa de instalação do Red Hat Enterprise Linux (Anaconda) utiliza este valor para determinar se deve atribuir um endereço IP estático ou um endereço DHCP a partir do pool. Especifique "Static" para garantir que todos os hosts provisionados nesta sub-rede recebam endereços IP estáticos.

Procedimento 6.6. Para Especificar um Modo de Inicialização Estático por Padrão:

  1. Navegue até InfrastructureSubnets e clique no nome da subrede que você deseja configurar. Para criar uma nova subrede, siga os passos em Procedimento 2.4, “Para Selecionar a Subrede Padrão:”.
  2. Na aba Subnet selecione Static a partir da lista suspensa de Boot mode e clique em Submit.
Sempre que você criar um novo host e atribuí-lo à este subrede, ele usa um endereço IP estático por padrão.

Apêndice A. Glossário de Termos

Os termos a seguir são utilizados em todo este documento. Familiarize-se com estes termos para ajudá-lo a entender o Red Hat Satellite 6.
Chave de Ativação
Uma gratificação (token) de registro usado no arquivo Kickstart para controlar as ações no registro. Estes são semelhantes às Chaves de Ativação no Red Hat Satellite 5, porém fornecem uma subrede de recursos por causa dos pacotes de controle do Puppet e gerenciamento de configuração após o registro.
Ambiente do Ciclo de Vida do Aplicativo
Um Ambiente do Aplicativo do Ciclo de Vida representa um passo ou etapa, em um caminho de promoção através do Ciclo de Vida de Desenvolvimento do Software (SDLC). Caminhos de promoção também são conhecidos como caminhos de desenvolvimento. Conteúdos como pacotes e módulos puppet movem através de ambientes de ciclo de vida por meio da publicação e promoção de Visualização de Conteúdos. Toda a Visualização de Conteúdo possui versões, o que significa que você pode promover uma versão específica através de um caminho de promoção típico; por exemplo, do desenvolvimento ao teste para a produção. A Clonagem de Canal implementa este conceito no Red Hat Satellite 5.
Anexar
O processo de associar uma subscrição à um Host que fornece acesso ao conteúdo RPM.
Capsula
Uma Capsula é um servidor adicional que pode ser usado em uma implementação do Red Hat Satellite 6 para facilitar a federação do conteúdo e distribuição além de outros serviços localizados (Puppet Master, DHCP, DNS, TFTP, entre outros).
Catálogo
A Catalog é um documento que descreve o estado do sistema desejado para um computador específico. Ele lista todos os recursos que precisam ser gerenciados, bem como quaisquer dependências entre esses recursos.
Perfil de Computação
Compute Profiles especifica atributos padrão para máquinas novas virtuais em um recurso de computação.
Recurso de Computação
Um Recurso de Computação é uma infraestrutura do cloud, onde o Red Hat Satellite 6 utiliza para implementação de hosts e sistemas. Por exemplo, inclui Red Hat Enterprise Virtualization Manager, OpenStack, EC2, e VMWare.
Conteúdo
Conteúdo inclui pacotes de software (arquivos RPM) e módulos Puppet. Estes são sincronizados para a Biblioteca e depois promovido para o Ambiente de Ciclo de Vida utilizando as Visualizações de Conteúdo para que possam ser consumidos pelos Hosts.
A Rede de Distribuição de Conteúdo (CDN Content Delivery Network)
O Content Delivery Network (CDN) é o mecanismo usado para distribuir o conteúdo da Red Hat de forma co-localizada geograficamente. Por exemplo, o conteúdo que é sincronizado pelo Satellite na Europa, puxa o conteúdo de uma fonte na Europa.
Host de Conteúdo
Um Content Host é a parte de um host que gerencia as tarefas relacionadas ao conteúdo e subscrições.
Visão do conteúdo
A Visualização de Conteúdo é uma definição de conteúdo que combina produtos, pacotes e módulos Puppet com capacidade de filtragem inteligente e criação de snapshots. As visualizações de conteúdo são um refinamento da combinação de canais e clonagem do Red Hat Satellite 5.
Classificador de Nó Externo
Um Classificador de Nó Externo é uma construção de Puppet que fornece dados adicionais para um Puppet Master utilizar ao configurar os hosts. O Red Hat Satellite 6 age como um Classificador de Nó Externo para o Puppet Master em uma implementação do Satellite.
Facter
Facter é um programa que fornece informações (fatos) sobre o sistema no qual está sendo executado. Por exemplo, o Facter pode reportar memória total, versão de sistema operacional, arquitetura entre outros. Os módulos Puppet possibilitam configurações específicas baseadas nos dados do host reunídos pelo Facter.
Hammer
Hammer é a ferramenta de linha de comando para oRed Hat Satellite 6. Use Hammer para gerenciar o Red Hat Satellite 6 como CLI padrão, para scripts, e também em shell interativas.
Hiera
Hiera é uma ferramenta de busca de chave/valor para dados de configuração que permitem afastar dados de site-específicos dos manifestos.
Máquina
Um Host se refere à qualquer sistema, físico ou virtual, que gerencie o Red Hat Satellite 6.
Host Collection
Um Host Collection é equivalente à um Satellite 5 System Group, ou seja, grupo definido de um ou mais Hosts.
Host Group
A Host Group é um modelo para construir um Host. Isto inclui a visualização de conteúdo (que define os arquivos RPM disponíveis e módulos do Puppet) e as classes do Puppet a aplicar (que determinam o software e configuração).
Local
Um Location é a coleção de configurações padrão que representam um local físico. Estes pode ser aninhados para que você possa configurar uma coleção hierárquica de locais. Por exemplo, você pode definir padrões para"Oriente Médio", que são refinados por "Tel Aviv", e depois refinados pelo "Data Center East", e depois pelo "Rack 22".
Biblioteca
O Library contém todas as versões, incluindo a versão sincronizada mais recente do software que o usuário irá implementar. Para uma empresa ou departamento de Information Technology Infrastructure Library (ITIL) [1], seria o Definitive Media Library [2] (chamado anteriormente de Definitive Software Library).
Manifesto
Um Manifesto transfere subscripções a partir do Portal do Consumidor para o Red Hat Satellite 6. Esta função é semelhante aos certificados usados com o Red Hat Satellite 5.
Organização
Uma Organização é uma coleção isolada de sistemas, conteúdo e outras funcões dentro da implementação do Satellite 6.
Produto
Uma coleção de conteúdo de repositórios. Produtos podem ser Red Hat ou produtos criados recentemetne feitos de conteúdo de software e configuração.
Promover
O ato de mudar a visualização de conteúdo composta de conteúdo de software e configuração de um Ambiente de Ciclo de Vida do Aplicativo para outro, tal como mover de um desenvolvimento para QA para produção.
Modelo de Provisionamento
Um Modelo de Provisionamento é um modelo definido por usuário para arquivos do Kickstart, snippets e outras ações de provisionamento. No Satellite 6 eles fornecem função semelhante aos Perfis do Kickstart e Trechos do Cobbler no Red Hat Satellite 5.
Nó Pulp
Um Nó Pulp é um componente de Servidor Capsule que espelha conteúdo. Isto é semelhante ao Red Hat Satellite 5 Proxy. A diferença mais marcante é que o conteúdo pode ser estagiado no Nó Pulp antes de ser utilizado por um Host.
Agente do Puppet
O Agente do Puppet é um agente que executa em um Host e aplica mudanças de configuração àquele Host.
Puppet Master
Um Puppet Master é um componente do Servidor Capsule que fornece manifestos do Puppet ao Hosts para a execução pelo Agente Puppet.
Puppet Module
A Puppet Module é um conjunto independente de código e dados, que você pode usar para gerenciar os recursos, tais como usuários, arquivos e serviços.
Repositórios
Um Repositório fornece armazenamento para uma coleção do conteúdo. Por exemplo, um repositório YUM ou um repositório Puppet.
Função
Uma Função especifica uma coleção de permissões que são aplicadas à um conjunto de recursos, tal como Hosts.
Smart Proxy
Um Smart Proxy é um componente do Servidor Capsule que pode integrar com serviços externos, tal como DNS ou DHCP.
Variável do Smart
Um Smart Variable é um valor de configuração que controla como um Puppet Class se comporta. Isto pode ser configurado em um Host, um Grupo de Host, uma Organização, ou um Local.
Standard Operating Environment (SOE)
Um Standard Operating Environment (SOE) é uma versão controlada do sistema operacional no qual os aplicativos são desenvolvidos.
Subscrição
Subscrições são meios pelo qual você recebe conteúdo e serviços da Red Hat.
Sincronização
Sincronização se refere ao conteúdo espelho dos recursos externos na Biblioteca Red Hat Satellite 6.
Planos de Sincronização
Planos de Sincronização fornece execução agendada de sincronização de conteúdo.
Grupo de Usuário
Um Grupo de Usuário é a coleção de funções que podem ser atribuídas à coleção de usuários. Este é semelhante à Função no Red Hat Satellite 5.
Usuário
Um usuário é qualquer um registrado utilizando o Red Hat Satellite. A autenticação e autorização é possível através da lógica embutida, através de recursos LDAP externos, ou com o Kerberos.

Apêndice B. Histórico de Revisões

Histórico de Revisões
Revisão 1.2-8Wed August 12 2015Hayley Hudgeons
Removing beta watermark.
Revisão 1.2-7Mon Jun 22 2015Terry Chuang
updated Beta string
Revisão 1.2-6.1Mon Jun 22 2015Terry Chuang
Tradução de arquivos sincronizados com a versão 1.2-6 de fontes do XML
Revisão 1.2-6Fri May 15 2015David O'Brien
Reconstrua com a versão do produto atualizada.
Revisão 1.2-5Mon May 11 2015David O'Brien
Construa para revisão técnica.
Revisão 1.2-4Thu Apr 16 2015David O'Brien
Documente como usar a estatística IP com o Satellite 6.1.
Revisão 1.2-3Wed Apr 8 2015Megan Lewis
Marca atualizada.
Prefácio Removido.
Revisão 1.2-2Fri Apr 3 2015David O'Brien
Atualize o procedimento para criar um manifesto para coincidir com o novo design de portal.
Revisão 1.2-1Tue Mar 31 2015David O'Brien
BZ 1207429: Foi reparado o erro no procedimento "Criando Host Groups"; a fonte do conteúdo deveria se referir ao Capsule.
Explicação da referência confusa ao "Arquivo de zona PTR".
BZ 1203878: Atualização dos nomes de repositórios de "RH Common" para "Satellite Tools".
BZ 1168240: Explicar seção em "domain" vs "zone".
BZ 1176466: Explicar opções necessárias ao comando katello-installer.
Explica o procedimento sobre como criar grupos de host.
BZ 1183657: Adiciona "puppet module" e "catálogo"ao Glossário.
Repara entidades nos links "Relate um erro".
Revisão 1.2-0Thu Feb 22 2015David O'Brien
BZ 1184671: Repara um erro na opção katello-installer.
Revisão 1.1-1Mon Dec 22 2014David O'Brien
Atualiza uma seção sobre como criar um host para o Satellite para referenciar versões corretas.
Repara um link relativo na seção "Criando Produtos Padronizados e Repositórios".
Revisão 1.1-0Wed Dec 10 2014David O'Brien
Atualiza uma seção sobre como criar manifestos para referenciar informações mais detalhadas.
Revisão 1.0-0Wed Nov 26 2014David O'Brien
Implementa atualizações da revisão do QA.
Primeiro publica lançamento.
Revisão 0.1-1Thu Nov 20 2014David O'Brien
Adiciona Glossário de termos.
Definição adicionada de Visualização de Conteúdo com oparte da Criação das Visualizações de Conteúdo no Gerenciamento e Promoção de Conteúdo.
Foi adicionado o xref para procedimentos referenciados.
Seção atualizada em configuração inicial para incluir nome de usuário de administrador e senha.
Capítulo atualizado no Provisionamento de Hosts.
Abstrato Adicionado.
Capítulo de rascunho sobre Como configurar Modelos de Provisionamento.
Seção de rascunho sobre Gerenciamento de Conteúdo e Promoção.
Seções revisadas sobre como importar subscrições e sincronizar conteúdo.
Revisão 0.1-0Fri Oct 17 2014David O'Brien
Foi adicionado o primeiro rascunho do capítulo "Configurando Serviços".
Foi adicionado rascunho do capítulo "Introdução ao Provisionamento".
Foi adicionado o esqueleto TOC com seções básicas.
Criação inicial pelo publican.

Nota Legal

Copyright © 2015 Red Hat.
This document is licensed by Red Hat under the Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 Unported License. If you distribute this document, or a modified version of it, you must provide attribution to Red Hat, Inc. and provide a link to the original. If the document is modified, all Red Hat trademarks must be removed.
Red Hat, as the licensor of this document, waives the right to enforce, and agrees not to assert, Section 4d of CC-BY-SA to the fullest extent permitted by applicable law.
Red Hat, Red Hat Enterprise Linux, the Shadowman logo, JBoss, OpenShift, Fedora, the Infinity logo, and RHCE are trademarks of Red Hat, Inc., registered in the United States and other countries.
Linux® is the registered trademark of Linus Torvalds in the United States and other countries.
Java® is a registered trademark of Oracle and/or its affiliates.
XFS® is a trademark of Silicon Graphics International Corp. or its subsidiaries in the United States and/or other countries.
MySQL® is a registered trademark of MySQL AB in the United States, the European Union and other countries.
Node.js® is an official trademark of Joyent. Red Hat Software Collections is not formally related to or endorsed by the official Joyent Node.js open source or commercial project.
The OpenStack® Word Mark and OpenStack logo are either registered trademarks/service marks or trademarks/service marks of the OpenStack Foundation, in the United States and other countries and are used with the OpenStack Foundation's permission. We are not affiliated with, endorsed or sponsored by the OpenStack Foundation, or the OpenStack community.
All other trademarks are the property of their respective owners.