15.10. Destino da Instalação

Para selecionar os discos e particionar o espaço de armazenamento, no qual você irá instalar o Red Hat Enterprise Linux, selecione o Installation Destination na tela Sumário de Instalação. Se você não estiver familiarizado com as partições de disco, veja Apêndice A, Introdução às Partições de Disco para mais informações.

Atenção

A Red Hat recomenda fazer o backup de todos os dados contidos nos seus sistemas. Por exemplo, se você estiver atualizando ou criando um sistema de inicialização dupla, deverá fazer back up de todos os dados que queira guardar em seu(s) disco(s) rígido(s). Circunstâncias imprevisíveis podem resultar na perda de todos os seus dados.

Importante

Se você instalar o Red Hat Enterprise Linux em modo texto, você poderá usar somente os esquemas de particionamento padrão descritos nesta seção. Você não poderá adicionar ou remover partições ou sistemas de arquivo além daqueles que o programa de instalação adiciona ou remove automaticamente.
Visão Geral de Espaço de Armazenamento

Figura 15.15. Visão Geral de Espaço de Armazenamento

Nesta tela, você poderá ver os dispositivos disponíveis localmente em seu computador. Você poderá também adicionar dispositivos extras especializados ou redes, clicando em Adicionar um disco. Para aprender mais sobre estes dispositivos veja Seção 15.11, “Dispositivos de Armazenamento”.
Se você não se sentir confiante para fazer o particionamento de seu sistema, deixe a seleção padrão, no botão de opção Configurar automaticamente particionamento , fazer a partição do programa de instalação dos dispositivos de armazenamento para você.
Abaixo dos painéis para dispositivos de armazenamento se encontra um formulário de controles adicionais rotulados como Outras Opções de Armazenamento:
  • Na seção Partitioning , você pode selecionar como seus dispositivos de armazenamento serão particionados. Você pode configurar as partições manualmente ou permitir que o programa de instalação faça isso automaticamente.
    O particionamento automático é recomendado se você estiver fazendo uma instalação limpa no armazenamento anteriormente não utilizado ou se você não precisa manter qualquer dado que possa estar presente no armazenamento. Para continuar desta forma, deixe a seleção padrão do botão de seleção Configurar automaticamente o particionamento para permitir que o programa de instalação crie partições necessárias sobre o espaço de armazenamento para você.
    Para o particionamento automático, você também pode selecionar a caixa Eu gostaria de disponibilizar espaço adicional para escolher a forma de realocar o espaço de outros sistemas de arquivos para esta instalação. Se você selecionou o particionamento automático, mas não há espaço de armazenamento suficiente para concluir a instalação, ao clicar Concluído , irá aparecer uma janela:
    Diálogo de Opções com a Opção de Recuperar Espaço

    Figura 15.16. Diálogo de Opções com a Opção de Recuperar Espaço

    Clique em Cancel & adicionar mais discos para adicionar mais espaço de armazenamento. Clique em Reclaim space para liberar algum espaço de armazenamento das partições existentes. Veja Seção 15.10.2, “Recuperar Espaço de Disco” para obter detalhes.
    Se você selecionar o botão de opção Desejo configurar particionamento para configuração manual, você verá a tela Particionamento Manual após clicar em Concluído. Veja Seção 15.10.3, “Particionamento manual” para mais detalhes.
  • Na seção Encryption você pode selecionar a caixa de seleção Encrypt my data para criptografar todas as partições, exceto a partição /boot . Veja Red Hat Enterprise Linux 7 Security Guide para obter mais informações.
No final da tela se encontra o botão Sumário de disco completo e carregador de inicialização para que você configure um disco, no qual um carregador de inicialização será instalado.
Clique em Done depois que você fizer suas seleções para retornar a tela Installation Summary ou para continuar na tela Particionamento Manual .

Importante

Quando você instalar o Red  Hat Enterprise  Linux em um sistema com dispositivos de armazenamento multipath e não-multipath, o layout do particionamento automático no programa de instalação deve criar grupos de volume que contenham uma combinação de dispositivos. Isto invalida o propósito do armazenamento multipath.
Recomendamos que você selecione somente o multipath ou somente o não multipath como dispositivo na tela Installation Destination. Como forma alternativa, proceda com o particionamento manual.

15.10.1. Criptografar Partições

Se você selecionou a opção Encrypt my data, quando você clicar para continuar na próxima tela, o programa de instalação irá lhe solicitar uma frase-senha com a qual irá criptografar as partições no sistema.
As partições são criptografadas usando o Linux Unified Key Setup – consulte o Red Hat Enterprise Linux 7 Security Guide para mais informações.
Inserir Frases-senha para Partição Criptografada

Figura 15.17. Inserir Frases-senha para Partição Criptografada

Escolha uma senha e digite-a em cada um dos dois campos na caixa de diálogo. Note que você irá precisa para usar o mesmo layout de teclado para configurar esta senha que você vai usar para desbloquear partições mais tarde. Use o ícone de esquema de idioma para garantir que o layout correto está selecionado. Você deve fornecer essa senha toda vez que o sistema é inicializado. Pressione Tab enquanto estiver no campo de entrada do Passphrase para digitá-lo novamente. Se a senha for muito fraca, um ícone de aviso aparecerá no campo e você não terá permissão para digitar o segundo campo. Passe o cursor do mouse sobre o ícone de aviso para aprender a melhorar a senha.

Atenção

Se você perder esta senha, qualquer partição criptografada e dados nelas serão totalmente bloqueados. Não existe uma forma de recuperar uma senha perdida.
Observe que se você realizar uma instalação do Kickstart do Red Hat Enterprise Linux, você pode salvar senhas criptografadas e criar senhas criptografadas de backup durante a instalação. Consulte o Red Hat Enterprise Linux 7 Security Guide para mais informações sobre a criptografia do disco.

15.10.2. Recuperar Espaço de Disco

Se houver espaço suficiente para instalar Red Hat Enterprise Linux nos discos selecionados no Installation Destination e você selecionou Reclaim Space no diálogo Installation Options, o dialogo de Reclaim Disk Space aparecerá.

Atenção

A não ser que você selecione diminuir uma partição, recuperar espaço em uma partição envolve remover todos os dados e você deve sempre verificar se algum dado que você precise foi salvo.
Recuperar Espaço de Disco a partir dos Sistemas de Arquivos Existentes

Figura 15.18. Recuperar Espaço de Disco a partir dos Sistemas de Arquivos Existentes

Os sistemas de arquivos existentes Red Hat Enterprise Linux tem detectados são listados em uma tabela como parte de seus respectivos discos. A coluna Espaço Recuperável lista o espaço que poderia ser transferido para esta instalação. A coluna Ação lista que medidas serão tomadas com o sistema de arquivos para recuperar espaço.
Embaixo da tabela existem quatro botões:
  • Preserve – deixa seu sistema de arquivo intocado e nenhum dado é removido. Esta é a ação padrão.
  • Delete – remove o sistema de arquivos totalmente. Todo o espaço que ele ocupa no disco estará disponível para a instalação.
  • Shrink – recupera espaço livre no sistema de arquivos e torna disponível para esta instalação. Use o controle deslizante para definir um novo tamanho para a partição selecionada. Só pode ser usado em partições redimensionáveis ​​onde LVM ou RAID não é utilizado.
  • Delete all/Preserve all – este botão, localizado à direita, marca todos os sistemas de arquivos para exclusão por padrão. Ao clicá-lo, ele muda o rótulo e permite que você marque todos os sistemas de arquivos a serem preservados novamente.
Selecione um sistema de arquivos ou um disco inteiro na tabela com o mouse e clique em um dos botões. A etiqueta na coluna Ação será alterada para corresponder à sua seleção e a quantidade de Área total selecionada para recuperar exibida abaixo a tabela será ajustada de acordo com a necessidade. Abaixo deste valor é a quantidade de espaço que a instalação requer com base nos pacotes que você selecionou para instalar.
Quando houver recuperado espaço suficiente para que a instalação proceda, o botão Reclaim Space se tornará disponível. Clique neste botão para retornar à tela de Sumário de Instalação e proceda com a instalação.

15.10.3. Particionamento manual

A tela Particionamento Manual é exibida quando você clica em Concluído a partir da instalação de destino se você selecionou a opção Eu vou configurar o particionamento . Nesta tela você configura as suas partições de disco e pontos de montagem. Isso define o sistema de arquivos onde o Red Hat Enterprise Linux 7 será instalado.

Atenção

A Red Hat recomenda fazer o backup de todos os dados contidos nos seus sistemas. Por exemplo, se você estiver atualizando ou criando um sistema de inicialização dupla, deverá fazer back up de todos os dados que queira guardar em seu(s) disco(s) rígido(s). Circunstâncias imprevisíveis podem resultar na perda de todos os seus dados.
A tela do particionamento manual

Figura 15.19. A tela do particionamento manual

A tela Particionamento Manual inicialmente apresenta um único painel à esquerda para os pontos de montagem. O painel está vazio, exceto para obter informações sobre a criação de pontos de montagem, ou ele exibe existente pontos de montagem que o programa de instalação detectou. Estes pontos de montagem são organizados pelas instalações do sistema operacional detectadas. Portanto, alguns sistemas de arquivo podem ser exibidos diversas vezes se uma partição é compartilhada entre as diversas instalações. O espaço total e espaço disponível nos dispositivos de armazenamento selecionado são exibidos abaixo deste painel.
Se o seu sistema contém sistemas de arquivos existentes, garanta que o espaço suficiente estará disponível para a instalação. Use o - para remover partições desnecessárias.

Nota

Para recomendação e informações adicionais sobre o disco, partições, consulte o Apêndice A, Introdução às Partições de Disco e Seção 15.10.3.5, “Esquema de Particionamento Recomendado”. Você precisa de pelo menos uma partição root de tamanho adequado e uma partição swap com um tamanho duas vezes maior do que a quantidade de RAM disponível no sistema.
Observe qual dispositivo está associada ao /boot. Os arquivos do kernel e setor de carregador de inicialização serão associados com este dispositivo. Para a maioria dos casos, o primeiro DASD ou SCSI LUN será usado, mas para alguns casos não comuns, este pode não ser o caso. O número do dispositivo será usado quando responder o sistema pós instalado IPLing.

15.10.3.1. Adicionando Sistemas de Arquivo e Partições de Configuração

Uma instalação do Red Hat Enterprise Linux 7 requer um mínimo de uma partição mas a Red Hat recomenda ao menos quatro: /, /home, /boot, e swap. Você também deve criar partições adicionais se necessário. Veja Seção 15.10.3.5, “Esquema de Particionamento Recomendado” para mais detalhes.
A adição de um sistema de arquivo é um processo de duas etapas. Primeiro você cria um ponto de montagem em um certo esquema de particionamento. O ponto de montagem é exibido no painel esquerdo. Em seguida, você pode personalizá-lo usando as opções no painel da direita, onde você pode escolher um nome, tipo de dispositivo, tipo de sistema de arquivo, rótulo, e se para criptografar ou reformatar a partição correspondente.
Se você não tem sistemas de arquivos existentes e deseja que o programa de instalação crie as partições necessárias e os seus pontos de montagem para você, escolha o seu esquema de particionamento preferido no menu suspenso no painel esquerdo (padrão para o Red  Hat Enterprise  Linux é LVM ) e clique no link do topo do painel para criar pontos de montagem automaticamente. Isso irá gerar uma partição / boot , uma / (root) da partição, e uma partição swap proporcional ao tamanho do armazenamento disponível. Estas são as partições recomendados para uma instalação típica, mas você pode adicionar partições adicionais, se você precisar.
Como alternativa, crie pontos de montagem individuais usando o botão de + localizado na parte inferior do painel. O diálogo Adicionar um Novo Ponto de Montagem , em seguida, se abrirá. Ou selecione um dos caminhos predefinidos do menu suspenso de Ponto de Montagem ou digite o seu próprio – por exemplo, selecione / para a partição raiz ou / boot para a partição de inicialização. Em seguida, digite o tamanho da partição, usando unidades de tamanho comuns, como megabytes, gigabytes, ou terabytes, ao campo de texto Capacidade Desejada – por exemplo, digite 2GB para criar uma partição de 2 gigabytes. Se você deixar o campo vazio ou se você especificar um tamanho maior do que o espaço disponível, todo espaço livre restante será utilizado em seu lugar. Depois de inserir essas informações, clique no botão Adicionar ponto de montagem para criar a partição.
Para cada novo ponto de montagem que você criar manualmente, você pode definir o seu esquema de particionamento a partir do menu suspenso localizado no painel esquerdo. As opções disponíveis são Standard Partition, BTRFS , LVM e LVM Thin Provisioning . Note que a partição /boot será sempre localizada em uma partição padrão, independentemente do valor selecionado neste menu.
Para alterar os dispositivos em que um único ponto de montagem sem LVM deve ser localizado, selecione o ponto de montagem e clique no botão de configuração na parte inferior do painel para abrir o dialogo Configure Ponto de Montagem . Selecione um ou mais dispositivos e clique Selecionar . Após o fechamento de diálogo, note que você também precisa confirmar essa configuração, clicando no botão Atualizar configurações , no lado direito da tela de Particionamento Manual.
Configurando Pontos de Montagem

Figura 15.20. Configurando Pontos de Montagem

Para atualizar informações sobre todos os discos locais e partições nos mesmos, clique no botão rescan (com o ícone de seta sobre ele) na barra de ferramentas. Você só precisa fazer esta ação após a realização de configuração da partição avançada fora do programa de instalação. Note que, se você clicar no botão Examinar discos novamente , todas as alterações de configuração feitas anteriormente no programa de instalação serão perdidas.
Examinando Discos novamente

Figura 15.21. Examinando Discos novamente

Na parte inferior da tela, um link mostra quantos dispositivos de armazenamento foram selecionados em Destino de Instalação (veja Seção 15.10, “Destino da Instalação”). Ao clicar nesse link se abrirá o diálogo Discos Selecionado, onde você revisará as informações sobre os discos.
Para padronizar uma partição ou um volume, selecione seu ponto de montagem no painel da esquerda e os recursos padronizáveis a seguir aparecerão à direita:
Padronizando Partições

Figura 15.22. Padronizando Partições

  • Name – atribui um nome ao LVM ou volume Btrfs. Note que as partições padrão são nomeadas automaticamente quando são criadas e seus nomes não podem ser editados, tal como /home sendo atribuído o nome sda1.
  • Mount point – insira o ponto de montagem da partição. Por exemplo, se a partição deve ser a partição root, insira /; insira /boot para a partição /boot e assim por diante. Para uma partição swap o ponto de montagem não deve ser definido – é suficiente definir o tipo de sistema de arquivo para swap.
  • Label – atribui um rótulo à partição. Rótulos sãoutilizados para que você reconheça facilmente partições individuais.
  • Desired capacity – insere um tamanho desejado de partições. Você pode utilizar unidades de tamanho em comum tal como kilobytes, megabytes, gigabytes, ou terabytes. Megabytes são opções padrão se você não especificar nenhuma unidade.
  • Device type – escolha entre Standard Partition, BTRFS, LVM, ou LVM Thin Provisioning. Se dois ou mais discos forem selecionados para particionamento, o RAID também estará disponível . Verifique a caixa adjacente Encrypt para criptografar a partição. Você receberá uma solicitação para definir uma senha mais tarde.
  • File system – no menu suspenso, seleicone o tipo de sistema de arquivo adequado para esta partição. Verifique a caixa adjacente Reformat para formatar uma partição existente ou deixe-a sem selecionar para manter seus dados.
See Seção 15.10.3.1.1, “Tipos de Sistema de Arquivos” para mais informações sobre o sistema de arquivo e tipos de dispositivos.
Clique no botão Configurações de Atualização para salvar as suas alterações e selecionar outra partição para personalizar. Note que as alterações não serão aplicadas até que você realmente comece a instalação a partir da página de resumo de instalação. Clique no botão Reset All para descartar todas as alterações em todas as partições e começar de novo.
Quando todos os sistemas de arquivos e pontos de montagem forem criados e personalizados, clique no Concluído . Se você optar por criptografar qualquer sistema de arquivos, você precisará criar uma senha. Em seguida, uma caixa de diálogo aparecerá mostrando um resumo de todas as ações relacionadas com o armazenamento que o programa de instalação irá tomar. Isso inclui a criação, redimensionamento ou excluir partições e sistemas de arquivos. Você pode rever todas as alterações e clicar em Cancelar& Retornar para Particionamento Personalizado para voltar. Para confirmar o resumo, clique Aceitar alterações para retornar à página Resumo da instalação. Para particionar quaisquer outros dispositivos, selecione-os Destino de Instalação , volte para a tela Manual Partitioning, e siga o mesmo processo descrito nesta seção.
15.10.3.1.1. Tipos de Sistema de Arquivos
O Red Hat Enterprise Linux permite que você crie tipos diferentes de dispositivos baseadas no sistema de arquivos que elas utilizarão. A seguir, veja uma breve descrição dos tipos diferentes de dispositivos e sistemas de arquivos disponíveis e como eles podem ser utilizados.

Tipos de Dispositivo

  • standard partition – Uma partição padrão pode conter um sistema de arquivo ou espaço swap, ou ele pode fornecer um container para RAID por software ou um volume físico LVM.
  • volume lógico (LVM) – Criar uma partição LVM gera automaticamente um volume lógico LVM. O LVM pode melhorar o desempenho de discos físicos. Para obter informações sobre como criar um volume lógico, veja Seção 15.10.3.3, “Criar Volume Lógico LVM”. Para mais informações sobre o LVM, consulte o Red Hat Enterprise Linux 7 Logical Volume Manager Administration .
  • provisionamento dinâmico do LVM – Ao utilizar o provisionamento dinâmico, você poderá gerenciar um pool de armazenamento de espaço livre, conhecido como um pool dinâmico (thin pool), o que pode ser atribuído a um número arbitrário de dispositivos quando necessário pelos aplicativos.O pool dinâmico pode ser expandido dinamicamente quando necessário para a alocação de custo-benefício de espaço de armazenamento.
  • BTRFS – Btrfs é um sistema de arquivos com vários recursos do dispositivo semelhantes. Ele é capaz de assistir e gerenciar mais arquivos, arquivos maiores, e volumes maiores do que os sistemas ext2, ext3 e ext4. Para criar um volume Btrfs e obter mais informações, consulte Seção 15.10.3.4, “Crie um Subvolume de Btrfs”.
  • software RAID – A criação de duas ou mais partições de RAID por software permite que você crie um dispositivo RAID. Uma partição RAID é atribuída a cada disco no sistema. Para criar um dispositivo RAID, veja Seção 15.10.3.2, “Criar RAID por Software”. Para mais informações sobre RAID, consulte o Red Hat Guia Enterprise Linux 7 Armazenamento Administração .

Sistemas de Arquivos

  • xfs – XFS é um sistema de arquivo altamente escalável e de alto desempenho que suporta os sistemas de arquivo até 16 exabytes (aproximadamente 16 milhões de terabytes), arquivos com até 8 exabytes (aproximadamente 8 milhões de terabytes) e estruturas de diretórios contendo dezenas de milhares de entradas. O XFS suporta o agendamento de metadados, o qual facilita a recuperação de travamento mais rapidamente. O sistema de arquivo XFS também pode ser desfragmentado e reajustado em tamanho enquanto montado e ativo. Este sistema de arquivo é selecionado por padrão e é altamente recomendado. Para mais informações sobre como traduzir comandos comuns de sistemas de arquivo ext4 utilizados anteriormente em XFS, veja Apêndice E, Tabela de Referência para ext4 e Comandos XFS.
    O tamanho máximo suportado de uma partição XFS é 500 TB.
  • ext4 – O sistema de arquivos ext4 é baseado no sistema de arquivos ext3 e tem inúmeras melhorias. Entre elas se encontra o suporte para sistema de arquivos maiores e alocação de espaço de disco de arquivos maiores, mais rápido e mais eficiente, sem limite no número de subdiretórios dentro de um diretório, verificação de sistema de arquivos mais rápida e um agendamento mais robusto.
    O tamanho máximo suportado de um sistema de arquivo ext4 no Red Hat Enterprise Linux 7é atualmente de 50 TB.
  • ext3 – O sistema de arquivos ext3 é baseado no sistema de arquivos ext2 e tem uma vantagem principal – o journaling. O uso de um sistema de arquivos com journaling reduz o tempo gasto com sua recuperação após ele travar, já que não é necessário usar para verificar o sistema de arquivo para consistência de metadados executando o utilitário fsck todas as vezes que ocorrer um travamento.
  • ext2 – Um sistema de arquivos ext2 suporta arquivos do tipo Unix, incluindo arquivos normais, diretórios ou links simbólicos. Possibilita a atribuição de nomes longos para arquivos, de até 255 caracteres.
  • vfat – O sistema de arquivos VFAT é um sistema de arquivos do Linux compatível com os nomes de arquivos longos do Microsoft Windows no sistema de arquivos FAT.
  • swap – Partições Swap são usadas para suportar a memória virtual. Em outras palavras, os dados são gravados numa partição swap quando não há memória RAM suficiente para armazenar os dados que seu sistema está porocessando.
Cada sistema de arquivos possui diferentes limites de tamanho para o próprio sistema de arquivos, bem como arquivos individuais contidos. Para uma lista de tamanho máximo de arquivos e sistemas de arquivos suportados , consulte os recursos de tecnologia Red Hat Enterprise Linux e página de limites, disponível no Portal do Cliente em: https://access.redhat.com/site/articles/rhel-limits.

15.10.3.2. Criar RAID por Software

Nota

No System z os subsistemas do armazenamento usa o RAID de forma transparente. Não há necessidade para configurar um software RAID manualmente.
Conjunto redundante de discos independentes (RAIDs) são construídos de dispositivos de armazenamento múltiplo, arranjados para prover alto desempenho e, em algumas configurações, maior tolerância à falhas. Consulte abaixo para uma descrição de tipos diferentes de RAIDs.
Um dispositivo RAID é criado em uma única etapa e os discos são adicionados ou removidos, se necessário. Uma partição de RAID por disco é permitido para cada dispositivo, de modo que o número de discos disponíveis para o programa de instalação determina que níveis de dispositivo RAID estão disponíveis para você.
Criando um Software RAID Partition – O Menu Expandido do Tipo de Dispositivo

Figura 15.23. Criando um Software RAID Partition – O Menu Expandido do Tipo de Dispositivo

As opções de configuração do RAID estão disponíveis se você selecionou dois ou mais dispositivos de armazenamentos para instalação. Ao menos dois discos são necessários para criar um dispositivo RAID.
Para criar um dispositivo de RAID:
  1. Cria um ponto de montagem como descrito em Seção 15.10.3.1, “Adicionando Sistemas de Arquivo e Partições de Configuração”. Ao configurar este ponto de montagem, você configura o dispositivo RAID.
  2. Mantendo a partição selecionada no painel à esquerda, selecione o botão de configuração abaixo do painel para abrir o Configurar Ponto de Montagem . Selecione quais discos serão incluídos no dispositivo RAID e clique Selecione .
  3. Clique no menu suspenso Device Type e selecione RAID.
  4. Clique no menu suspenso File System e selecione seu tipo de sistema de arquivo preferido (veja Seção 6.10.4.1.1, “Tipos de Sistema de Arquivos”.
  5. Clique no menu suspenso RAID Level e selecione seu nível preferido do RAID.
    Os níveis de RAID disponíveis são:
    RAID0 – Optimized performance (stripe)
    Distribui dados para os dispositivos de armazenamento múltiplo. Os RAIDs de nível 0 oferecem alto desempenho para as partições padrão, e podem ser usados para unir o armazenamento de dispositivos múltiplos em um dipositivo virtual grande. Observe que os RAIDs de nível 0 não apresentam redundância e a falha de um dispositivo na matriz destruirá toda a matriz. O RAID 0 requer ao menos duas partições RAID.
    RAID1 – Redundancy (mirror)
    Espelha os dados em um dispositivo de armazenamento em um ou mais dispositivos de armazenamento. Dispositivos adicionais na matriz fornecem níveis altos de redundância. O RAID 1 requer ao menos duas partições RAID.
    RAID4 – Error detection (parity)
    Distribui dados pelos dispositivos de armazenamentos múltiplos, mas usa um dispositivo na matriz para armazenar informações de paridade que assegura a matriz no caso de qualquer dispositivo dentro da matriz, cair. Como todas as informações de paridade são armazenadas em um dispositivo, o acesso à este cria um obstáculo no desempenho da matriz. O RAID 4 requer ao menos três partições RAID.
    RAID5 – Detecção de erro distribuído
    Distribui dados e informações de paridade pelos dispositivos de armazenamento múltiplos. Os RAIDs de nível 5 portanto, oferecem vantagens de desempenho de distribuição de dados pelos dispositivos múltiplos, mas não compartilham o obstáculo de desempenho de RAIDs de nível 4 pois as informações de paridade também são distribuídas através da matriz. O RAID 5 requer ao menos três partições de RAID.
    RAID6 – Redundante
    Os RAIDs de nível 6 são semelhantes aos RAIDs de nível 5, mas ao invés de armazenar um conjunto de dados de paridade, eles armazenam dois conjuntos. O RAID 6 requer ao menos quatro partições de RAID.
    RAID10 – Redundancy (mirror) e Optimized performance (stripe)
    Os RAIDs de nível 10 são RAIDs agrupados ou RAIDs híbridos. Os RAIDs de nível 10 são construídos pela distribuição de dados em conjuntos espelhados de dispositivos de armazenamento. Por exemplo, um RAID de nível 10 construído a partir de partições de RAID consiste de dois pares de partições nos quais uma partição espelha a outra. Os dados são então distribuídos por ambos os pares de dispositivos de armazenamento, como em um RAID de nível 0. O RAID 10 requer ao menos quatro partições de RAID.
  6. Clique em Update Settings para salvar suas mudanças, e continue com outra partição ou clique em Done para retornar para a tela Sumário de Instalação.
Se menos discos estiverem incluídos do que requer o nível de RAID especificado, será exibida uma mensagem na parte inferior da janela, informando quantos discos são realmente necessários para a configuração selecionada.

15.10.3.3. Criar Volume Lógico LVM

Gerenciamento de Volume Lógico (LVM), apresenta uma visualização lógica simples de espaço de armazenamento físico adjacente, tal como discos rígidos ou LUNs. As partições em armazenamento físico são representadas como volume físico as quais podem ser agrupadas em grupo de volume. Cada grupo de volume pode ser dividido em volumes lógicos múltiplos, cada qual análogo à uma partição de disco padrão. Por isso, a função dos volumes lógicos LVM é de partição que pode gerar discos físicos múltiplos.
Para aprender mais sobre o LVM, consulte Apêndice C, Entender o LVM ou leia Red Hat Enterprise Linux 7 Logical Volume Manager Administration. Note que a configuração do LVM está disponível somente no programa de instalação gráfica.

Importante

Durante a instalação de modo texto, a configuração do LVM não está disponível. Se você precisar criar uma configuração de LVM desde o início, pressione Ctrl+Alt+F2 para usar o terminal e execute o comando lvm. Para retornar à instalação de modo texto, pressione Ctrl+Alt+F1.
Configurando um Volume Lógico

Figura 15.24. Configurando um Volume Lógico

Para criar um volume lógico e adicioná-lo à um grupo de volume novo ou existente:
  1. Cria um ponto de montagem para o volume LVM como descrito em Seção 15.10.3.1, “Adicionando Sistemas de Arquivo e Partições de Configuração”.
  2. Clique no menu suspenso Tipo de Dispositivo e selecione LVM . O menu suspenso de Grupo de Volume aparecerá e exibirá o nome do grupo de volume recém-criado.
  3. Como forma alternativa, tanto clique no menu e selecione Criar um novo grupo de volume ou clique em Modificar para configurar o grupo de volume recentemente criado, caso você necessite. Ambas opções Criar um novo grupo de volume e o botão Modificar levam ao diálogo Configurar Grupo de Volume, onde você pode renomear o grupo de volume lógico e selecionar quais discos devem ser incluídos.
    Padronizando um Grupo de Volume LVM

    Figura 15.25. Padronizando um Grupo de Volume LVM

    Os nívels do RAID são o mesmo que com os dispositivos RAID atuais. Veja Seção 15.10.3.2, “Criar RAID por Software” para mais informações. Você pode também marcar o grupo de volume para criptografia e definir a política de tamanho para ele. As opções de política disponíveis são:
    • Automatic – o tamanho do grupo de volume é ajustado automaticamente de modo que seja grande o suficiente para conter os volumes lógicos configurados. Isso é ótimo se você não precisa de espaço livre no interior do grupo de volume.
    • As large as possible – o grupo de volume é criado com o tamanho máximo, independentemente do tamanho dos volumes lógicos configurados que ele contém. Isso é ideal se você pretende manter a maioria de seus dados no LVM e mais tarde precise aumentar o tamanho de alguns volumes lógicos existentes, ou se você precisar criar volumes lógicos adicionais dentro deste grupo.
    • Fixed – Com esta opção, você poderá definir um tamanho exato do grupo de volume. Quaisquer volumes lógicos configurados devem então caber dentro deste tamanho fixo. Isto é útil se você sabe exatamente o tamanho você deseja que o grupo de volume seja.
    Clique em Save quando o grupo for configurado.
  4. Clique em Update Settings para salvar suas mudanças, e continue com outra partição ou clique em Done para retornar para a tela Sumário de Instalação.

Atenção

Colocar a partição /boot em um volume LVM não é suportado.

15.10.3.4. Crie um Subvolume de Btrfs

Btrfs é um tipo de sistema de arquivos, mas possui vários recursos característicos de um dispositivo de armazenamento. Ele é projetado para tornar o sistema de arquivos tolerante a erros e facilitar a detecção e reparo de erros quando eles ocorrerem. Ele usa somas de verificação para garantir a validade dos dados e metadados, e mantém snapshots do sistema de arquivos que pode ser usado para backup ou reparos.
Durante o particionamento manual, você cria subvolumes Btrfs, em vez de volumes. O programa de instalação, em seguida, cria automaticamente um volume Btrfs para conter esses subvolumes. Os tamanhos reportados para cada Btrfs ponto de montagem no painel esquerdo da tela Particionamento Manual são idênticos porque refletem o tamanho total do volume, em vez de cada subvolume individual.
Configurando um Subvolume de Btrfs

Figura 15.26. Configurando um Subvolume de Btrfs

Para criar um subvolume de Btrfs:
  1. Cria um ponto de montagem como descrito em Seção 15.10.3.1, “Adicionando Sistemas de Arquivo e Partições de Configuração”. Ao configurar este ponto de montagem, você configura o volume Btrfs.
  2. Clique no menu suspenso Tipo de Dispositivo e selecione BTRFS . O menu suspenso de Sistema de Arquivo será acinzentado automaticamente para Btrfs . O menu suspenso do Volume aparece e exibe o nome do volume recém-criado.
  3. Como forma alternativa, tanto clique no menu e selecione Criar um novo volume ou clique em Modificar para configurar o volume recentemente criado, caso você necessite. Ambas opções Criar um novo volume e o botão Modificar levam ao diálogo Configurar Volume, onde você pode renomear o subvolume e adicionar um nível RAID à ele.
    Padronizando o Volume Btrfs.

    Figura 15.27. Padronizando o Volume Btrfs.

    Os níveis de RAID disponíveis são:
    RAID0 (Desempenho)
    Distribui dados para os dispositivos de armazenamento múltiplo. Os RAIDs de nível 0 oferecem alto desempenho para as partições padrão, e podem ser usados para unir o armazenamento de dispositivos múltiplos em um dipositivo virtual grande. Observe que os RAIDs de nível 0 não apresentam redundância e a falha de um dispositivo na matriz destruirá toda a matriz. O RAID 0 requer ao menos duas partições RAID.
    RAID1 (Redundância)
    Espelha os dados em um dispositivo de armazenamento em um ou mais dispositivos de armazenamento. Dispositivos adicionais na matriz fornecem níveis altos de redundância. O RAID 1 requer ao menos duas partições RAID.
    RAID10 (Desempenho, Redundância)
    Combina RAID0 e RAID1, e fornece maior desempenho e redundância ao mesmo tempo. Os dados são espalhados em matrizes RAID1 proporcionando redundância (espelhamento), e essas matrizes são depois distribuídas (RAID 0), proporcionando desempenho (distribuição). Requer pelo menos quatro partições de RAID.
    Você pode também marcar o volume para criptografia e definir a política de tamanho para ele. As opções de política disponíveis são:
    • Automatic – o tamanho do volume é ajustado automaticamente de modo que seja grande o suficiente para conter os subvolumes configurados. Isso é ótimo se você não precisa de espaço livre no interior do volume.
    • As large as possible – o volume é criado com o tamanho máximo, independentemente do tamanho das subvolumes configurados que ele contém. Isso é ótimo se você pretende manter a maioria de seus dados sobre o Btrfs e mais tarde precise aumentar o tamanho de alguns subvolumes existentes, ou se você precisar criar subvolumes adicionais dentro deste volume.
    • Fixed – Com esta opção, você poderá definir um tamanho exato do volume. Quaisquer subvolumes configurados devem então caber dentro deste tamanho fixo. Isto é útil se você sabe exatamente o tamanho você deseja que o volume seja.
    Clique em Save quando o volume for configurado.
  4. Clique em Update Settings para salvar suas mudanças, e continue com outra partição ou clique em Done para retornar para a tela Sumário de Instalação.
Se menos discos estiverem incluídos do que requer o nível de RAID especificado, será exibida uma mensagem na parte inferior da janela, informando quantos discos são realmente necessários para a configuração selecionada.

Atenção

Colocar a partição /boot em um volume Btrfs não é suportado.