Red Hat Training

A Red Hat training course is available for Red Hat Enterprise Linux

Capítulo 3. Armazenamento e Sistemas de Arquivos

3.1. RAID

Atualizações

Realizar uma atualização de um conjunto dmraid para um conjunto mdraid não é suportado. Um aviso será mostrado quando uma atualização deste tipo for tentada. Atualizações de conjuntos mdraid existentes e criação de novos conjuntos mdraid são possíveis.

O novo superblock padrão pode causar problemas quando atualizar conjuntos. Este novo formato de superbloco (usado em todos os dispositivos exceto quando criar uma partição RAID1 /boot) está agora no início da matriz e qualquer sistema de arquivos ou dados LVM são deslocados para o início da partição. Quando a matriz não estiver rodando, o LVM e os comandos do sistema de arquivos mount podem não detectar o dispositivo com tendo um volume válido ou dados do sistema de arquivo. Isto é intencional e significa que se você quiser montar um disco único em uma matriz RAID1, você precisa iniciar a matriz tendo somente esse disco único nela, então monte a matriz. Você não pode montar um disco não preparado diretamente. Esta mudança foi feita já que montar um disco não preparado diretamente pode corromper silenciosamente a matriz se um resync não é forçado.
Em reinicializações subsequentes, o sistema RAID pode então considerar que o disco que não era incluído na matriz como incompatível e desconectará o dispositivo da matriz. Isto é normal. Quando você estiver pronto para re adicionar o outro disco de volta à matriz, use o comando mdadm para fazer um hot add do disco na matriz, no qual apontar um resync das peças modificadas do disco (se você tiver write-intent bitmaps ) ou no disco todo (se você não tiver bitmaps) para ser realizado e a matriz mais uma vez será sincronizada. Deste ponto, os dispositivos não serão desconectados da matriz, já que a matriz é considerada estar própriamente agregada.
O novo superblock suporta o conceito de matrizes (mdraid). A dependência do método antigo de enumeração de matriz (por exemplo: /dev/md0, então /dev/md1, etc.) para a distinção entre matrizes foi eliminado. Você agora pode escolher um nome arbitrário para a matriz (tal como home, data ou opt). Crie a matriz com o nome escolhido usando a opção --name=opt. Seja qual for o nome dado à matriz, esse nome será criado em /dev/md/ (a menos que um caminho completo seja dado como nome, que no caso esse caminho será criado ou a menos que você especifique um número único, tal como 0 e o mdadm iniciará a matriz usando o esquema antigo /dev/mdx). O instalador do Anaconda não permite atualmente a seleção de nomes de matrizes e em vez disso usa o esquema de número simples como uma maneira de emular como as matrizes eram criadas no passado.
A nova matriz mdraid suporta o uso dos write-intent bitmaps. Ajudando o sistema a identificar partes problemáticas de uma matriz, para que se no evento de um desligamento incomum, somente as partes problemáticas precisam de ser resincronizadas. Matrizes recém criadas terão automaticamente um write-intent bitmap adicionado quando necessário. Por exemplo, matrizes usadas para troca e matrizes muito pequenas (tal como matrizes /boot) não se beneficiam de ter write-intent bitmaps. É possível adicionar um write-intenet bitmap à sua matriz existente anteriormente depois que uma atualização estiver completa pelo comando mdadm --grow no dispositivo, entretanto os write-intent bitmaps incorrem em um desempenho modesto (cerca de 3-5% em um pedaço de bitmap de 65536, mas pode aumentar para 10% ou mais em tamanhos menores de bitmap tal como 8192). Isto significa que se um write-intent bitmap é adicionado à uma matriz, é melhor manter o tamanho do pedaço relativamente grande. O tamanho recomendado é 65536.