Red Hat Training

A Red Hat training course is available for Red Hat Enterprise Linux

Capítulo 4. Clusterização

Novos recursos do Pacemaker

O lançamento do Red Hat Enterprise Linux 6.8 fornece suporte aos seguintes recursos do Pacemaker:
  • Você pode usar o comando pcs resource relocate run para mover um recurso ao seu nó de preferência, como determinado pelo atual status do cluster, pelas restrições, pelo local dos recursos e por outras configurações.
  • Ao configurar o isolamento de fontes de alimentação redundantes, você é solicitado a definir cada dispositivo somente uma vez e a especificar que ambos dispositivos são necessários para isolar o nó.
  • A nova opção de restrição do local resource-discovery permite que você indique se o Pacemaker deve desempenhar a descoberta de recursos em um nó para um recurso especificado.
  • Os recursos iniciarão assim que o estado deles tiver sido confirmado em todos os nós e todas as dependências tiverem sido satisfeitas, em vez de aguardar pela confirmação do estado de todos os recursos. Isto permite que a inicialização de alguns serviços seja mais rápida.
  • Os recursos de clonagem fornecem suporte a uma nova opção de metadados clone-min, especificando que um certo número de instâncias deve estar em execução antes que qualquer recurso dependente possa ser executado. Isto é particularmente útil para os serviços por trás de um IP virtual e haproxy, já que é feito com Openstack.
Esses recursos estão documentados em Configuring the Red Hat High Availability Add-On with Pacemaker.

Migração normal de recursos quando o serviço pacemaker_remote é interrompido em um nó remoto ativo do Pacemaker

Caso o serviço pacemaker_remote seja interrompido em um nó remoto ativo do Pacemaker, o cluster migrará normalmente os recursos para fora do nó antes de interrompê-lo. Antigamente, os nós do Pacemaker eram isolados quando o serviço era interrompido (incluindo comandos como yum update), a menos que o nó fosse explicitamente tirado do cluster primeiro. Os upgrades de software e outros processos de manutenção de rotina agora são desempenhados de forma bem mais fácil nos nós remotos do Pacemaker.
Observação: todos os nós de um cluster devem receber upgrade para uma versão que forneça suporte para este recurso antes que possa ser usado em qualquer nó.

Suporte ao isolamento SBD com Pacemaker

O daemon SBD (Storage-Based Death) integra-se ao Pacemaker, um dispositivo watchdog e, opcionalmente, um armazenamento compartilhado para organizar os nós para que se encerrem de maneira confiável quando o isolamento é necessário. O SBD pode ser útil principalmente em ambientes onde os mecanismos de isolamento tradicionais não são viáveis.