1.8.4. Marcas de Firewall e Persistência

Em algumas situações, talvez seja desejável um cliente reconectar repetidamente o mesmo servidor real, em vez de ter um algoritmo de balanceamento de carga LVS enviando uma solicitação ao melhor servidor disponível. Alguns exemplos disto incluem os formulários da web de tela múltipla, cookies, SSL e conexões FTP. Nestes casos, o cliente talvez não trabalhe propriamente, a não ser que as transações sejam executadas pelo mesmo servidor para reter o contexto. O LVS fornece duas características diferentes para cuidar disto: persistência e marcas firewall.

1.8.4.1. Persistence

Uma vez ativada, a persistência atua como um marcador de tempo. Quando um cliente se conectar a um serviço, o LVS lembra da última conexão por um período específico. Caso o mesmo cliente de endereço IP conectar novamente no mesmo período, isto será enviado ao mesmo servidor que foi conectado anteriormente — contornando os mecanismos de balanceamento de carga. Quando a conexão ocorrer fora da janela de tempo, isto será tratada de acordo com as regras de agendamento do local.
A persistência também permite que você especifique um subnet mask ( marcas subnet ), para aplicação ao teste de endereço IP do cliente, como uma ferramenta de controle dos endereços que possuem um alto nível de persistência, agrupando as conexões ao subnet.
As conexões agrupadas destinam-se a portos diferentes, podendo ser importantes para protocolos que usam mais de um porto para comunicação, como o FTP. No entanto, a persistência não é a maneira mais eficiente para cuidar do problema de agrupamento juntamente com conexões destinadas para portos diferentes. No caso destas situações, é aconselhável utilizar as marcas firewall.